Quatro Cães de Assistência – A Voz de Azeméis

Quatro Cães de Assistência – A Voz de Azeméis

Um cão de assistência é, individualmente, educado para realizar tarefas que aumentem a autonomia e a funcionalidade da pessoa com deficiência.

Os Cães de Assistência que estão a ultimar os seus treinos vão ser entregues a Ana Isabel Gonçalves, vice-presidente da APN (Associação Portuguesa de Doenças Neuromusculares), que embora já tenha um, a Simba, mas que já está a entrar para a reforma, receberá o Lucas; a Hélder Fernandes, de Anadia, que possui uma doença neuromuscular; a Gabriel Rodriguez, de Lisboa, que possui Ataxia espinocerebelosa; a João Sousa e Silva, de Leiria, que tem Neurofibromatose tipo 2 e a Cristina Silva, que possui deficiência auditiva, sendo que o cão será treinado para avisar sons, como campainha, formo, micro-ondas, chegada de pessoas, telefone, alarme de incêndio, etc.

A ÂNIMAS - Associação Portuguesa para a Intervenção com Animais de Ajuda Social é uma Associação sem fins lucrativos que visa ceder de forma gratuita cães de serviço e cães para surdos, promover programas de Intervenções Assistidas por Animais e realizar ações de formação e trabalhos de investigação científica.

“A ÂNIMAS – Associação Portuguesa para a Intervenção com Animais de Ajuda Social realizou recentemente na Quinta do Côvo exames para Certificação de um Cão de Assistência e para um Cão para Intervenções Assistidas por Animais, bem como entrevistas a famílias com incapacidade auditiva e com deficiências físicas e neurológicas.
Após as entrevistas, havendo condições por parte das famílias, seguir-se-á o processo de acoplamento das pessoas com deficiência aos cães de assistência, já que a curto prazo a ÂNIMAS entregará quatro cães de Assistência, um para pessoas com incapacidade auditiva e mais três para pessoas com incapacidade motora e/ou neurológica.

CÃES JÁ TÊM DESTINATÁRIOS
Os Cães de Assistência que estão a ultimar os seus treinos vão ser entregues a Ana Isabel Gonçalves, vice-presidente da APN (Associação Portuguesa de Doenças Neuromusculares), que embora já tenha um, a Simba, mas que já está a entrar para a reforma, receberá o Lucas; a Hélder Fernandes, de Anadia, que possui uma doença neuromuscular; a Gabriel Rodriguez, de Lisboa, que possui Ataxia espinocerebelosa; a João Sousa e Silva, de Leiria, que tem Neurofibromatose tipo 2 e a Cristina Silva, que possui deficiência auditiva, sendo que o cão será treinado para avisar sons, como campainha, formo, micro-ondas, chegada de pessoas, telefone, alarme de incêndio, etc.
Paralelamente realizou-se um exame de intervenções assistidas por animais, tendo sido certificada a dupla Rita Pimenta/Mel.

UMA LONGA LISTA DE ESPERA
A ÂNIMAS tem uma longa lista de espera, mas como se pode comprovar, os cães, de raça labrador ou de água, são entregues às pessoas que apresentam maior necessidade e que estão inscritas há mais tempo. Acresce que, para além de desenvolver um trabalho feito por voluntários, o treino dos cães de assistência demora entre um ano a um ano e meio.
Quando sai do criador, o animal é entregue a uma família de acolhimento, onde permanece até aos oito ou nove meses a fim de fazer a sua socialização, aprendendo a estar com outros animais e com as pessoas, desenvolvendo uma aprendizagem de forma natural. Posteriormente, numa segunda fase, o cão vai para o treinador onde recebem preparação específica ao desempenho da função que vão realizar.
Um cão de assistência é, individualmente, educado para realizar tarefas que aumentem a autonomia e a funcionalidade da pessoa com deficiência. A pessoa que pretende candidatar-se a utente de um cão de assistência poderá iniciar o seu processo de duas formas em que se especifique a sua situação particular: possuir um parecer de um profissional de saúde que o acompanhe, ou pertencer a uma Associação relacionada com a sua incapacidade que fará o pedido à ÂNIMAS.

TRÊS ESPÉCIES DE INTERVENÇÕES ASSISTIDAS POR ANIMAIS
São de três espécies as Intervenções Assistidas por Animais:
Atividades Assistidas por Animais (AAA) – É uma intervenção sem objetivos específicos que pode ocorrer em vários contextos, dirigida por voluntários com formação que produzirá benefícios a nível motivacional, educacional e recreativo e que não exige a medição e o registo dos resultados.
Terapia Assistida por Animais (TAA) – Trata-se de uma intervenção com objetivos específicos que integra o animal como elemento do processo de tratamento. É dirigida por profissionais de saúde e destina-se a promover uma melhoria no funcionamento físico, social, emocional ou cognitivo. O processo deve ser documentado e avaliado de forma contínua.
Educação Assistida por Animais (EAA) – Trata-se de uma intervenção com objetivos específicos na área da Educação (comportamentais ou de aprendizagem) que integra o animal como elemento do processo de intervenção. É dirigida por profissionais de educação e destina-se a promover uma melhoria emocional e/ou cognitiva. O processo deve ser documentado e avaliado de forma contínua.

UM TRABALHO MUITO LOUVÁvEL EM PROL DA SOCIEDADE
A ÂNIMAS – Associação Portuguesa para a Intervenção com Animais de Ajuda Social é uma Associação sem fins lucrativos que visa ceder de forma gratuita cães de serviço e cães para surdos, promover programas de Intervenções Assistidas por Animais e realizar ações de formação e trabalhos de investigação científica. Para tanto, a ÂNIMAS é constituída por uma equipa multidisciplinar que, em regime de voluntariado, trabalha no sentido de proporcionar aos indivíduos com deficiência um recurso habilitador que aumente o seu nível de independência e de autoestima
A ÂNIMAS está reconhecida pelo Instituto Português para a Reabilitação – INR e é a única Associação Portuguesa a estar reconhecida na ADEu – Assistance Dogs Europe

COMO AJUDAR A ÂNIMAS
São três as formas de colaborar com a ÂNIMAS: como voluntário, desde que se identifique com o projeto e pretenda juntar-se-lhe, aatravés de donativos, que ajudem a manter e desenvolver as suas atividades e como associado, podendo contribuir com uma joia de 25€ e apenas 5€ por mês.

COMISSÃO DE AVALIAÇÃO
As entrevistas e as certificações são conduzidas por uma comissão de avaliação constituída por três pessoas: a presidente da ÂNIMAS, Prof.ª Liliana de Sousa, o vice-presidente da instituição e coordenador dos instrutores, Sebastião Castro Lemos, e a psicóloga Catarina Cascais. O veredito final cabe a este triunvirato que analisa as condições”

in Jornal A Voz de Azeméis

No Comments

Post A Comment